Siga-me no Facebook Siga-me no Instagram Siga-me no Twitter Siga-me no YouTube
Archives for Oct 2017 | Site oficial de Nuno Nepomuceno.

O meu labrador gosta de cotas. LOL!


IMG_8153


Soube desde o primeiro momento em que olhei para ele que iria ter em mãos um cachorro especial. Aliás, foi o próprio criador a quem o comprei que mo confirmou há cerca de um ano, o dia em que o trouxe para casa. Começou por apontar para a caixa de cartão que levara para o transportar.

— O que é que pensa que veio buscar, um gato? — perguntou o senhor.

— Ele não cabe aqui? — respondi, aturdido. Tinha a inocente ideia de que todos os labradores bebés eram frágeis, puros e inocentes como os do anúncio da
Scottex. Porque é que o meu haveria de ser diferente?

— O cão que tenho para si é um pouco mais velho do que o que me encomendou — explicou o homem, com seriedade.

— O que é que aconteceu ao meu?

Apesar de ainda não o ter visto, já me imaginava com o pequeno Kimi serenamente a dormir no meu colo ou a trotar disciplinado ao meu lado.

— As bolinhas não desceram — disse ele. — Por isso, dei-o a uma pessoa amiga, mas tenho aqui um outro cachorro com mais duas semanas que é muito asseado. É o cão ideal para si, vai ver!

Tive a certeza assim que o vi vir a correr, as patas de trás a atropelarem as da frente de forma atabalhoada e os dentes de leite a mordiscarem as botas do criador, que bem que me podia preparar para uma mão cheia de trabalhos. Estava um dia de sol e o pelo branco reluzia sob o céu azul. Curiosamente, vinha manchado com várias pintas castanhas. O senhor cachorro, o tal que era o ex-líbris do asseio, acabara de andar à bulha com o irmão, durante a qual rebolou por cima dos próprios excrementos.

Os dias e meses que se seguiram confirmaram-no categoricamente. O Kimi é, sem dúvida, um cachorro especial. Diria antes traquinas, desavergonhado e irremediavelmente teimoso. Quando eu tentei ensiná-lo a andar com trela aproveitou a oportunidade para sentar o rabo no chão e extorquir-me um sem fim de guloseimas que escondeu no meio dos arbustos (ou melhor, naquilo que em tempos foram os meus arbustos, pois a minha casa deixou de ter um jardim; é agora rodeada por um canil de luxo!). E acabou-se o sossego à noite. O senhor cachorro, que dorme no alpendre, tem o desplante de andar a espreitar pelas portas de sacada da sala, à minha procura, chegando a bater nos vidros com as patas ou o focinho até eu me levantar do sofá e ir brincar com ele.

Claro que estou a exagerar um pouco. Obviamente que desde o dia em que o fui buscar, que o Kimi aprendeu quem é que manda cá em casa. Pois, sim, é ele…

Mas isto de ter um cão com um charme irresistível e os olhos de um James Dean dos tempos modernos também tem as suas vantagens. Eu, que vivo no meu bairro há oito anos, nunca fui mais popular como agora. Passei de ser um autêntico eremita desconhecido para o rei da rua. Todos os meus vizinhos me conhecem como o dono do Kimi (não como o Nuno, repare-se) e o novo estatuto de celebridade de que gozo à custa do fofo do meu cão é tão peculiar, que já me perguntaram inclusivamente se me tinha mudado para aqui recentemente.

O ponto positivo é que passei a socializar mais. O passeio diário que dou com o Kimi serve para tudo um pouco, desde arejar a cabeça a colocar as tricas de vizinhos em dia. Mas claro que o senhor cachorro não poderia, ainda assim, deixar de fazer das suas. Num destes dias, estava eu calmamente a trocar umas palavras com um senhor que andava a passear um casal de
golden retrievers, quando dei pela cadela a esconder-se muito depressa atrás das pernas do dono, assustada. A Wendy, que tem quase 14 anos e caminha já com alguma dificuldade, estava a ser «cortejada» por um senhor labrador, que desavergonhadamente lhe «arrastara a asa». Não é que o meu cachorro gosta de cotas?

Comments

A Célula Adormecida, por Margarida Veríssimo.

Opinião retirada de novagazeta.pt.

«Ler um livro é algo que me dá sempre muito prazer. Se o livro for bom, para além do prazer que me dá, ainda me transporta para o seu mundo como se eu própria fosse personagem, vivendo em tempo real as aventuras, desventuras, paixões, desilusões, frustrações, vitórias, medos e alegrias descritas. Mas se um livro for muito bom e lido na língua original em que foi escrito, então o prazer imenso funde-se com o orgulho. Foram estes sentimentos que o livro “A Célula Adormecida” de Nuno Nepomuceno me proporcionou.

O livro, muito atual, cativa-nos da primeira à última palavra. Com capítulos pequenos, apresenta-nos o enredo, a ação e a muita informação de forma serena, sem pressas, permitindo-nos ir absorvendo e assimilando todas as questões tratadas no decorrer da história, sem que com isso perca o ritmo da ação, que em crescente cadência no prende e nos estimula. Não sendo um livro ligeiro também não é massudo nem pesado. Tem tudo no sítio certo, na altura certa, na dose certa.

“A Célula Adormecida” fala de política, de religião, de traição, de ódio e de amor, com muito amor, com muita humanidade. Curiosamente não senti qualquer raiva ou ódio pelos personagens com personalidades mais irritantes ou executantes de atos condenáveis, tal o amor e compaixão que o autor lhes/nos transmite. E o livro é isso mesmo, uma lição de amor, apesar de o ódio ser um sentimento constante ao longo de toda a narrativa.

A par de ler o livro na sua língua original, o português, o que considero sempre uma mais-valia, outra caraterística que me fez sentir mais próxima e dentro do livro foi o facto da ação se dividir entre a cosmopolita Istambul e a minha amada e saudosa Lisboa, nos seus percursos pela cidade.

Sendo um livro de ficção, relata-nos factos e situações reais, o que torna toda a história muito mais emocionante e nos faz pensar profundamente na possibilidade da ficção se tornar realidade. Por outro lado, é uma obra que nos conduz à realidade de uma comunidade cada vez maior na/da nossa sociedade.

Esta obra fez-me recordar quando há mais de 25 anos fiz para a faculdade um trabalho de grupo sobre a Mesquita Central de Lisboa. De uma forma muito mais distante e ligeira, também nessa altura tivemos de perceber a cultura, a religião e a arquitetura islâmica para então compreender e caracterizar o edifício da mesquita. Mas o que recordo com mais carinho, o mesmo carinho que senti no livro, foi a simpatia e abertura com que fomos recebidos na mesquita. Apesar de sermos 1 rapaz e 3 raparigas de 20 anos, nunca senti qualquer pudor ou preconceito. O responsável que nos recebeu mostrou-se sempre muito prestável e até divertido, contando-nos histórias e curiosidades sobre o projeto e a construção da mesquita e permitiu-nos uma visita aos vários espaços do edifício, com exceção da sala de orações exclusivamente destinada a homens, onde apenas ao nosso colega rapaz foi permitido entrar… Como “castigo” pelo privilégio, por maioria (feminina) foi decidido que seria ele a apresentar oralmente essa parte do trabalho.

Por todas estas e muitas mais razões, que decerto encontrarão, “A Célula Adormecida” de Nuno Nepomuceno é um livro que recomendo vivamente.»


Margarida Veríssimo
novagazeta.pt

Comments