Siga-me no Facebook Siga-me no Instagram Siga-me no Twitter Siga-me no YouTube
Trilogia Freelancer | Site oficial de Nuno Nepomuceno.

Trilogia Freelancer

De férias.

Mais de 4 meses passados sobre a publicação da Célula Adormecida, julgo ser apropriado fazer aqui um pequeno balanço sobre o percurso do livro e o impacto que tem tido na minha carreira. Tentarei não me alongar, mas irei também dar conta do que está, para já, previsto para os meses que ainda estão por vir.

O sentimento é extremamente positivo. A noção que tive é que
A Célula Adormecida constituiu, para mim, o livro certo na altura adequada. O esforço foi grande. Eu terminei A Hora Solene no fim de Agosto e sentia-me particularmente saturado de tudo por volta do Natal de 2015. Ter regressado apenas 11 meses depois da conclusão da trilogia Freelancer foi não só uma prova que dei a mim mesmo sobre a minha capacidade de trabalho, como se revelou estrategicamente certo. As livrarias acolheram o livro de forma excecional, fazendo-me acreditar que ainda há esperança, de que o esforço que comecei a fazer há mais de 15 anos, quando elaborei o primeiro esboço daquilo que se viria a transformar no Espião Português, não está a ser em vão. Muito ou pouco, tem existido crescimento. Por exemplo, A Célula Adormecida conseguiu aquilo que nenhum dos volumes da trilogia havia atingido — ser n.º 1 dentro do seu próprio género na Wook e Fnac. Recordo que eu já tinha liderado estas contagens antes, mas apenas com edições eletrónicas. Tê-lo alcançado em papel foi inédito para mim e particularmente saboroso. Sobretudo, porque foi um passo em frente. E é nesse sentido que desejo continuar a caminhar.

Outro aspeto positivo é que, de uma certa forma, os meus livros andam a puxar uns pelos outros. Por exemplo,
O Espião Português está em subida na Wook, onde se posicionou à entrada do top 20, apenas 4 lugares abaixo da Célula Adormecida, que entretanto tem caído um pouco. O mesmo não está a acontecer na Bertrand. É o atual vice-líder dos thrillers desta cadeia livreira, atrás do eterno A Rapariga no Comboio. É possível que quem esteja a ler esta entrada o desconheça, mas a verdade é que hoje em dia, tendo em conta as especificidades do mercado, calcula-se que o período de vida de um livro em Portugal (exceção feita aos grandes best-sellers) ronde as 8 semanas. A partir daí, é velho.

Estes são apenas factos, coisas que pertencem ao passado. O futuro vem aí e será necessariamente mais pausado do que os (turbulentos) últimos tempos. Dei por mim a conversar há poucos dias com uma pessoa e a dizer que «este ano ainda agora começou e eu já estou farto dele». Não costumo entrar em pormenores sobre a minha vida pessoal, mas o azar tem andado a bater à porta, isso é irrefutável. Uma semana inteira com 39º de febre e um acidente com o carro são insignificantes no meio de tudo o de mau que já aconteceu.

Por isso, o ritmo irá ser mais brando nos próximos tempos. As entradas aqui passarão a ser menos regulares, embora vá tentar escrever pelo menos 2 ou 3 por mês até ao fim da primavera. E dentro de uma semana irei mesmo tirar uns dias de férias. Espera-me uma viagem de mais de 6 horas com uma escala a meio (para ser mais barato), mas como irei colocar uma ou outra fotografia
online, escondo para já o destino, prometendo revelá-lo na altura.

Termino com essa promessa e com algo que me deixou bastante orgulhoso quando recebi o convite e que, de uma certa forma, também ilustra a tal progressão mencionada no início desta entrada. Aqui deixo o cartaz da Universidade Lusófona. Sim, sou mesmo eu o orador no dia 18 de Maio. Happy


4 desafios cristianismo_2017_jpeg

Comments

Memórias.

Três livros publicados e quem os leu já deve ter notado que, por vezes, não utilizo formas narrativas convencionais. Aliás, julgo até ser uma das minhas melhores características, quase uma imagem de marca. O que quero dizer com isto é que a trilogia não tem uma espinha dorsal linear. Há avanços e retrocessos (não muito frequentes, pois acho que tal seria um exagero), ou prolepses e analepses, se desejarmos utilizar uma linguagem mais técnica, mas que, de uma certa forma, acabam por fazer avançar a história. Os dois excertos que transcrevo abaixo são um exemplo disso mesmo. Descrevem o mesmo momento do enredo global. Contudo, há um livro inteiro de permeio (e sim, A Espia do Oriente inicia-se quatro meses depois do fim do Espião Português).

«Sem maquilhagem e de cabelo discretamente apanhado atrás, deambulou pelo quarteirão. Deixara
China Girl no quarto e aquela era a primeira vez desde há muito tempo que se permitia fugir à mulher que ela própria decidira personificar.
Acabou por ir ter a Stephansdom. Sabia que era lá que ele se deveria encontrar.
O sempre frenético Marriott de Viena recebeu-a, calmo. Era muito tarde, noite avançada. Atravessou a cosmopolita galeria de bares, lojas, restaurantes e repuxos que dominavam o átrio e foi até à piscina interior.
Com os acordes intimistas e eclécticos do piano de George Michael a ouvirem-se ao fundo, observou-o em silêncio. André Marques-Smith estava sentado em calções, com a camisa suja de sangue entreaberta, uma caixa de gelado na mão, a luz reflectida no rosto
e as pernas meio mergulhadas na água, a mesma que a transportou de imediato a uma infância que, apesar dos esforços, e à luz dos acontecimentos daquela noite, soube nunca ir esquecer.

O português apresentava uma tristeza ainda mais profunda do que a dela. Parecia uma sombra do jovem brilhante que meses antes em Estrasburgo a havia cativado com um mero olhar.
E uma rapariga chegou.»

A Espia do Oriente, por Nuno Nepomuceno.



«A luz da piscina reflecte-se-lhe no rosto. Mexe ligeiramente as pernas e a água agita-se por instantes. Um pequeno restolhar acompanha o piano que toca baixinho ao fundo. Num registo intimista, George Michael canta «Kissing a Fool». Fecha os olhos e leva uma colher de gelado à boca, enquanto tenta saborear a paz daquele instante. A desejar poder absorvê-la e guardá-la só para si.

Perdeu a noção do tempo. Não sabe há quanto está ali. Sabe apenas que é de madrugada. Está às escuras, sozinho, no hotel, com os pés mergulhados na piscina quase até aos joelhos e a camisa branca ensanguentada por cima dos calções. Os seus preferidos. Os calções e o gelado de baunilha. A sua própria prenda de anos. Um pequeno conforto. O seu dia de aniversário...
[…]
O som de passos fá-lo olhar para trás. Marie senta-se ao seu lado, as pernas dobradas em cruz sobre a beira da piscina aquecida. Olha-o muito séria.»

O Espião Português, por Nuno Nepomuceno.


PS - Um pequeno aviso à navegação. Winking Estejam atentos ao
site oficial e às minhas redes sociais durante os próximos dias, pois há uma grande novidade reservada para breve (Oh yeah!).

Comments

O ladrão.

Excerto retirado de O Espião Português (e um dos meus preferidos).

« Cimeira de Estocolmo - Baile de encerramento
Palácio Real Sueco

A palavra ladrão começa a surgir nas mais variadas línguas, enquanto as mulheres presentes iniciam uma revista frenética às malas de mão e restantes pertences. Expectantes, Anssi e Monique vão-se deixando engolir pelo círculo imenso de curiosos. Ficam cada vez mais para trás, como é de resto desejável. Estão todos concentrados na mulher, guardas incluídos. Atento, Anssi olha na direção da saída para a ala sul. Completamente abandonada. Disfarçadamente, manda
Freelancer avançar. Pelo canto do olho, Monique vê Marie entrar no salão. Blue Swan avança rapidamente para o par. Ice Lady afasta-se ligeiramente do namorado e, por entre as pregas do vestido, retira e passa discretamente o colar à colega. Blue Swan recolhe-o, esconde-o com a mala de mão e continua a andar. Dirige-se à mesa das carnes frias, tira um rolinho de carne e come-o delicadamente, enquanto se junta ao grupo em torno da francesa. Faz uma pergunta a um homem que está por ali e deixa escapar um comentário maldoso sobre a segurança. «Ainda há pouco vi um guarda a dormir», opina, ultrajada. Ao fundo, protegido pela confusão, André Marques-Smith desaparece, incógnito.»

Uma amostra gratuita das primeiras páginas do livro pode ser descarregada ou lida no seguinte pdf.

PS - Um breve agradecimento a todas as pessoas que visitaram o novo site após o anúncio da remodelação. Não mereço tanto apoio.

Comments